quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Tenho um vulcão

Quando me deram a notícia,
eu corria atrás de sonhos:
--- Você tem um vulcão aí dentro.
Nem susto nem surpresa, talvez um pouco de pressa:
--- Quando vai despertar?


Pensava eu que tinha um útero
ou um coração, mas não:
essa fonte de tanta intensidade era
-- com beleza particular -- um vulcão.


Lava quente, espessa e úmida
entranhava por minhas veias, por meu corpo
eclodia ganas e indignações
volúpia, chuviscos e ternura
aos poros, aos olhos, aos lábios:
demasiadas sensações.


Carregava, agora sim entendia,
um calor, uma erupção constantes
que um chamava de libido,
outro de bem-aventurança,
outro ainda de coragem.
Na fantasia, chuva de verão entre os trópicos falantes;
rárárá...


Era nada mais que esse vulcão, portanto,
entre as costelas e os intestinos,
entre meu silêncio e minhas verbalizações,
em algum lugar, entre meu tudo e meu nada.
Criadora, criatura, sou eu
e de um vulcão.


Chama!

Um comentário:

Duda disse...

Que vulcão é esse, meu Deus! Alguém! Rápido! Um rio de água para apagar essa mulher!
beijos!
Duda